Arquivo da categoria: Melhoramento Genético

Atividades do Programa de Melhoramento Genético da raça Nelore na Fazenda Vale do Boi

ABCZ homenageia criador Epaminondas de Andrade

Homenagem ABCZ-2016-Ago
Presidente da ABCZ Luiz Claudio, Epaminondas, a esposa Walkyria e o diretor Frederico Mendes

O criador Epaminondas de Andrade recebeu homenagem da ABCZ pelo empenho em selecionar o zebu, especialmente por utilizar o PMGZ (Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos) como ferramenta de seleção. O agraciamento foi entregue pelo presidente da ABCZ Luiz Claudio Paranhos, juntamente com o diretor Frederico Mendes, no dia 26 de agosto, durante a ExpoGenética 2016, em Uberaba/MG.  Na placa entregue a Epaminondas de Andrade, o presidente destacou: “Ao companheiro Epaminondas de Andrade, a homenagem e o reconhecimento da ABCZ pelos quarenta e quatro anos de trabalho entusiasta e de dedicação contínua ao melhoramento genético do zebu brasileiro, no ano em que comemoramos o seu 80º aniversário e o 82º da nossa entidade”.
Epaminondas de Andrade sempre buscou a excelência em tudo o que faz. Em 1975, iniciou a seleção de nelore na Fazenda Ipanema, em Água Comprida (MG). Em 1983, transferiu seu rebanho para a Fazenda Vale do Boi, em Carmolândia (TO), e hoje dedicar-se exclusivamente à pecuária. O criatório participa ininterruptamente do PMGZ desde a década de 80 e é pioneiro nas Provas de Ganho em Peso a pasto no Tocantins. O bom desempenho no Sumário de Touros da ABCZ tem garantido a contratação de diversos de touros de seu plantel por centrais de inseminação. Em 2009, a Fazenda Vale do Boi, conquistou o 1º lugar no Prêmio Nacional de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas, categoria Agronegócio, conferido pelo SEBRAE e pelo Movimento Brasil Competitivo.

Outra homenagem recebida por ele foi o Mérito ABCZ, em 2012.

http://www.abcz.org.br/Home/Conteudo/24705-ABCZ-homenageia-criador-Epaminondas-de-Andrade

Um rebanho muito acima da média

Monitoramento Genético 2016Durante a Expozebu 2016 foi lançado a mais recente versão do Sistema Integrado de Avaliação Genética do PMGZ e a Fazenda Vale do Boi do criador Epaminondas de Andrade sai na frente e mostra a força de seu rebanho.
No Módulo Avançado foi criado o Monitoramento Genético, mostrando de forma gráfica a situação do rebanho em comparação com a média da raça para cada característica. Na totalidade das características avaliadas os gráficos mostram o excelente trabalho desenvolvido pela equipe da Vale do Boi, mostrando que seu rebanho esta MELHORANDO muito geneticamente.

Presidente da CRV Lagoa visita a Vale do Boi

Paul Vriesekoop, presidente da  CRV Lagoa e André Carreira com Paulo, Epaminondas e Ricardo Andrade na Vale do Boi.No dia 14 de janeiro o presidente da  CRV Lagoa Paul Vriesekoop, juntamente com o gerente de área Gilmar Gomes e o promotor de vendas para a região de Araguaína o veterinário André Carreira fizeram uma visita as instalações da Fazenda Vale do Boi. O novo presidente da CRV Lagoa está percorrendo todas as regiões de atuação da central pelo país. Na oportunidade  Paul Vriesekoop trocou ideias com o titular da Vale do Boi o pecuarista Epaminondas de Andrade e seus filhos Ricardo José e Paulo Henrique e pode conhecer um pouco do trabalho de Melhoramento da fazenda e da força da pecuária na região norte do Brasil.

Na oportunidade Epaminondas lembrou que a Lagoa faz parte da história da Vale do Boi, sendo a primeira central a fornecer sêmen para a fazenda bem como é parceira do reprodutor Imperador VB da Vale com sêmen em seu portfólio.

 

Artesão da genética

DBO-201412_00Epaminondas de Andrade colocou sua fazenda Vale do Boi como modelo de produção de touros Nelore no Norte do País

Quando DBO desembarcou no aeroporto de Araguaína, no extremo leste do Tocantins, não imaginou que encontraria Epaminondas de Andrade com uma placa nas mãos, usando a mais antiga técnica de identificação em salas de desembarque. “Caso não me reconhecesse pela cabeça branca, saberia quem sou pelo papelzinho”, explicou, sem imaginar que era impossível não reconhecê-lo. Epaminondas de Andrade é um dos grandes nomes da pecuária de corte e referência em melhoramento genético no Norte do País.

DBO-201412_80Foi um dos primeiros a aderirem ao Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ) da ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebu), há quase 30 anos, e, recentemente, teve suas habilidades de gestão reconhecidas no Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas (MPE) do Sebrae, que o consagrou como referência em administração rural no País.

DBO-201412_81“Apliquei a experiência de uma vida como gestor de indústrias da porteira para dentro”, disse Epaminondas. “Optei por produzir genética Nelore. E quis fazer tudo certinho.” Aos 78 anos de idade, o criador é um dos poucos produtores brasileiros a terem o controle exato do quanto gasta para produzir touros na Fazenda Vale do Boi, onde também faz ciclo completo no município de Carmolândia, a 27 km de Araguaína.

DBO-201412_92Dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq) apontam que apenas 7% do rebanho nacional apresentou mudanças significativas em razão do uso de genética nos últimos anos. Deste número, é ainda menor o percentual de criadores que conseguem determinar com exatidão os gastos deste item no sistema de produção. “É muito caro produzir um animal que vai melhorar a qualidade do rebanho de outro. E, comparado ao mercado atual, que está cada vez maior, há uma lacuna no trabalho de coleta, mensuração e tabulação dos custos dentro das fazendas”, afirma Sérgio De Zen, coordenador das áreas de carnes do Cepea e responsável pelos dados divulgados na ExpoGenética, em Uberaba, MG. “Neste caso, exceções são bem-vindas.” Na Fazenda Vale do Boi, do total de R$ 1,5 milhão dos custos de produção de 2013, R$ 300.000 corresponderam ao adicional por causa da genética. “O controle de uma fazenda é fundamental para que se possa mensurar a rentabilidade do negócio escolhido”, analisa Epaminondas. “Muito pecuarista acha que balanço é caixa. Pode sobrar dinheiro na conta bancária, sem significar lucro. Você pode ter comido estoque, depreciado máquinas… É preciso estar atento.”
Veja a reportagem completa na edição impressa de DBO 410.
Fonte: Revista DBO

http://www.portaldbo.com.br/Portal/RevistaDBO/DESTAQUES/11289,,Artesao+da+genetica.aspx

Circuito ExpoCorte em Araguaína (TO) discute nos dias 15 e 16/10 como conseguir o máximo da propriedade

Evento será realizado pela primeira vez na cidade e reunirá pecuaristas, técnicos e empresários

O Circuito ExpoCorte, evento que percorre alguns dos principais polos de produção de pecuária de corte no Brasil, será realizado primeira vez em Araguaína (TO). A cidade receberá o evento nos dias 15 e 16 de outubro a penúltima etapa do evento, que em 2014 já passou por Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Ji-Paraná (RO) e passará por Uberlândia (MG) em novembro.

Em dois dias de workshop, o tema principal da edição de 2014 do Circuito ExpoCorte “Como conseguir o máximo de minha propriedade” será discutido em palestras com especialistas brasileiros e em debates com os produtores. Haverá ainda uma feira de negócios com a participação de empresas de referência do setor que apresentarão suas novidades tecnológicas para tornar a pecuária cada vez mais produtiva e profissional.

“O Circuito Expocorte é uma grande oportunidade de atualização e de oferecer mais conhecimento aos pecuaristas da nossa região, visto que teremos a presença de palestrantes com experiência que poderão dividir o que sabem. Acredito que tudo o que é aprendizado é válido. Estamos esperando um grande número de participantes e incentivando que todas as pessoas ligadas à pecuária estejam presentes, afirma o presidente do Sindicato Rural de Araguaína, Roberto Paulino da Silva.

Programação

A programação do workshop está dividia em quatro blocos. No primeiro dia do evento (15/10), o especialista em proteína animal, Osler Desouzart ministra a palestra “Cenário da pecuária de corte: 2014 é um divisor de águas?”. “Pretendo mostrar o que devemos esperar no mercado internacional de carnes nos próximos 10 anos, que espécies prevalecerão, qual será a quantificação da demanda, onde essa ocorrerá e no caso específico da carne bovina, quem são e serão os principais atores na produção, importação e exportação hoje e nos próximos 10 anos. Se antes todos os esforços de melhoria se centravam da porteira para dentro, buscando aumentar eficiência e produtividade, hoje constatamos que o produtor bovino mostra um grande interesse em aprimorar seus conhecimentos da porteira para fora”, avalia o consultor.

Em seguida, Antônio Chaker, coordenador da equipe de consultores da Terra Desenvolvimento Agropecuário, falará sobre o desafio de obter bons trabalhadores e como lidar com a situação. Sua palestra é intitulada “Mão de obra ou Recursos Humanos”.

Em seguida, os palestrantes protagonizam um debate com os participantes, mediado pelo coordenador do Circuito ExpoCorte, Moacyr Seródio.

No segundo bloco, Fabiano Tito Rosa, do Minerva Foods fala da relação entre frigoríficos pecuaristas na palestra “Do pasto para a mesa: desafios da cadeia produtiva da carne bovina”. Na sequência, o médico veterinário Renato dos Santos, responsável pela área de Manejo Racional da Beckhauser trata da importância econômica do bem-estar animal em animais de produção. Ainda neste bloco o consultor Alberto Belentani aborda os aspectos práticos da regularização ambiental e suas interações, seguido pela apresentação do zootecnista Daniel de Carvalho, da CRI Genética sobre planejamento genético na prática. Mais um debate encerra a programação do dia.

Segundo dia de workshop

Na quinta-feira (16/10), a primeira palestra será de Danilo Figueiredo, da Tortuga, traçará um panorama da evolução da tecnologia de nutrição, seguido pela palestra “Ferramentas que eu deveria estar usando no sistema de cria”, ministrada pelo médico veterinário da Philbro, Diede Loureiro e pela apresentação “Boi sem pasto adequado não rende”, do engenheiro agrônomo, Roberto Risolia, da Dow AgroScienses.

Ainda no terceiro bloco, o médico veterinário Robson Stellato, da Pfizer Saúde Animal fala sobre como e quando usar a castração a ser favor. Em seguida, o diretor da Sociedade Rural Brasileira (SBR), Francisco Vila, que também é coordenador de conteúdo do Circuito ExpoCorte abordará um tema bastante desafiador para a pecuária: a sucessão nas fazendas.

O último bloco do evento, mais dedicado aos desafios regionais, terá uma palestra com o coordenador da CNA (Confederação Nacional da Agricultura) a respeito da Plataforma de Gestão Agropecuária – PGA. O pecuarista Epaminondas Andrade, da Fazenda Vale do Boi, localizada na região de Araguaína, compartilha com os participantes a sua experiência de gestão na fazenda. Lucas Coelho Peres, da Clivar Reprodução Bovina apresentará modelos de fazendas produtivas e improdutivas do Norte do País. O debate final será mediado pelo leiloeiro Eduardo Gomes, com a participação do presidente do Sindicato Rural de Araguaína, Roberto Paulino.

Para encerrar o evento será realizado o Leilão Oficial do Circuito ExpoCorte, às 18h, com a oferta de mais de 2 mil animais de cria, recria e engorda, provenientes de propriedades de todo o estado de Tocantins. O remate é promovido pela JM Leilões.

Feira de negócios

Em paralelo às apresentações, os participantes terão contato com as principais novidades tecnológicas apresentadas por empresas de referência do setor pecuário que estarão na feira de negócios que compõe o evento. Estão confirmadas para a etapa de Araguaína as empresas Dow AgroSciences, Minerva Foods, Philbro, Zoetis, Taura, Tortuga – DSM, Beckhauser, Bellman, Ourofino, Arysta, CRI Genética, ABS Pecplan, Associação Brasileira de Criadores de Senepol, Arysta, Agronorte Nutrição Animal, Caltins, Granforte, Minerthal e Disbrava/Ford.

As inscrições para participar do workshop estão abertas e podem ser feitas pelo site www.circuitoexpocorte.com.br. A inscrição inteira custa R$ 300,00 e a meia R$ 150,00.

Sobre o Circuito ExpoCorte

O Circuito ExpoCorte foi criado com a finalidade de levar tecnologia e discussão para os principais polos de produção pecuária do Brasil. Em sua terceira edição em 2014, o evento passou por Cuiabá (MT) em março, Campo Grande (MS) em julho, Ji-Paraná (RO) em setembro. Depois de Araguaína (TO) em outubro, a edição finaliza em Uberlândia (MG) nos dias 11 e 12 de novembro.

http://surgiu.com.br/noticia/171444/circuito-expocorte-em-araguaina-to-discute-nos-dias-15-e-16-10-como-conseguir-o-maximo-da-propriedade.html

Técnicos do PMGZ visitam a Vale do Boi

Ismar Carneiro e Henrique Torres Ventura com Epaminondas e Ricardo na Vale do Boi
Ismar Carneiro e Henrique Torres Ventura com Epaminondas e Ricardo na Vale do Boi

Nos dias 7 e 8 de outubro a Fazenda Vale do Boi ,do criador Epaminondas de Andrade, recebeu a visitas dos técnicos Ismar Carneiro e Henrique Torres Ventura, responsáveis pelo PMGZ (Programa de Melhoramento Genéticos de Zebuínos) da ABCZ, acompanhados também do técnico regional de Araguaína João Batista . Sr. Epaminondas e seus filhos Ricardo José e Paulo Henrique mostraram a propriedade e todo o trabalho realizado com o rebanho de Nelore PO, que é um dos pioneiros do PMGZ.

Ismar Carneiro e Henrique Torres Ventura com Epaminondas e Ricardo na Vale do BoiA visita teve como objetivo mostrar a aplicação dos conceitos das avaliações genéticas (DEPs) no dia a dia de uma propriedade de pecuária de corte, que envolve a correta leitura das avaliações com suas interpretações, acasalamentos e utilização do software para maximização dos resultados. Durante os 02 dias de visita foram levantadas varias observações para melhor aplicabilidade do programa quanto da utilização do software de busca das avaliações e acasalamentos.

Ismar Carneiro e Henrique Torres Ventura com Epaminondas e Ricardo na Vale do BoiEsse trabalho é resultado do empenho da nova diretoria da ABCZ e seu presidente Luiz Claudio Paranhos na busca de melhores resultados no melhoramento genético nas raças Zebuínas.

Tocantins lança campanha oficial e comemora 16 anos sem febre aftosa

Tocantins lança campanha oficial e comemora 16 anos sem febre aftosa“Temos grande orgulho de executar as ações de Defesa Agropecuária e darmos a nossa parcela de contribuição ao Tocantins ”, disse o presidente da Adapec – Agência de Defesa Agropecuária, durante a abertura oficial da primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, que ocorreu na manhã deste sábado, 4, na Fazenda Vale do Boi, em Carmolândia. Na cerimônia, também foi comemorado os 16 anos livre da febre aftosa com vacinação.

O proprietário da Fazenda, Epaminondas de Andrade, afirma que a sua criação é exclusivamente de gado nelore, em torno de 3,5 mil cabeças, e um programa de melhoramento genético com diversas premiações. Para chegar a este patamar Epaminondas relata que seguiu todas as normas estabelecidas pelas legislações federais e estaduais. “Somos dedicados, o solo para o gado é corrigido, o manejo é racional, porque temos o maior respeito pela criação. Nisso está incluído também a vacinação contra febre aftosa, pois qualquer imprevisto pode por em risco não só o meu rebanho, mas de todo Brasil”, destacou.

Durante o pronuciamento, o presidente da Adapec, Marcelo aguiar Inocente, ressaltou as ações executadas por todos da cadeia produtiva pecuária que fez do Tocantins um destaque nacional em produtos de qualidade. “Os produtores rurais estão de parabéns por terem entendido a importância de vacinar o rebanho. Tenho certeza que esta campanha será um sucesso”, acrescentando que o Estado está de braços abertos para receber rebanho de outros estados, desde que seja sanitariamente igualitário, como prevê o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Além disso, falou da importância dos convênios firmados com o Mapa em parceria com o governo do Estado que permitirá a aquisição de computadores e camionetes, entre outros.

Na oportunidade, o vice-presidente da Faet – Federação da Agricultura e Pecuária, Paulo Carneiro, afirmou que a instiuição fará doação de vacinas contra a febre aftosa aos sindicatos rurais do Estado e as cidades que não tem sindicatos, as doses serão enviadas para as prefeituras.

Em 2012 o Tocantins exportou 37 mil toneladas de carnes, produtos e subprodutos, num total de arrecadação de U$ 161,88 milhões de dólares. O superintendente Federal da Agricultura, Jalbas Aires Manduca, falou da importancia economica de estar livre da febre aftosa com vacinação e da luta da região Nordeste em busca da melhoraria do status sanitário. “Digo aos produtores, não vacilem, temos de manter nosso status, que foi uma conquista conseguida a duro sacrifício”, disse.

Para o secretário da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, a campanha será um sucesso, com o empenho de cada produtor tocantinense que faz e fará a sua parte. “Agradeço aos colaboradores da Adapec que tem feito seu papel de maneira extraordinária e do compromisso dos produtores rurais que estão engajados nesta luta”, disse. Na ocasião, o secretário anunciou a criação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração da Adapec. “O governador Siqueira Campos determinou que até o final do mês a minuta esteja pronta e no momento adequado encaminhará a Assembleia Legislativa”.

O vice-governador do Estado, João Oliveira, enalteceu o comprometimento da Agência e a conscientização dos produtores rurais em manter o estado livre da febre aftosa. “É importante termos o apoio técnico, vigilante para nossos produtores poduzirem cada vez mais. A vacinação é a garantia da sanidade animal, por isso devemos colaborar com a garantia da saúde animal e da população”, disse.

Também participaram do evento, o prefeito de Carmolândia, Sebastião Bastin, o Secretário de Desenvolvimento Agrário e Regulação Fundiária, Irajá Abreu, o Deputado Estadual, Osires Damaso, a Deputada Estadual, Amália Santana, o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas e demais autoridades.

Entrega de camionetes

Durante o evento, foi entregue 17 camionetes modelo L 200 triton em uma parceria entre o Mapa e o governo do Estado, por do convênio nº 771213 da área vegetal e convênio nº 771224 da área animal. Os carros servirão para fortalecer as ações de Defesa, Inspeção e Sanidade Animal e Vegetal em todo o Estado.

Campanha

A primeira etapa da campanha acontece entre os dias 1º e 31 de maio. Neste período todos os bovídeos devem receber a dose da vacina, indiferente da faixa etária. Após vacinar o gado, o produtor tem até 10 dias para declarar o ato, nas unidades da Adapec, onde sua ficha cadastral é movimentada. É preciso levar a nota fiscal da vacina e a Carta-aviso com dados de todos os animais da propriedade.

Para produtor que deixar de vacinar a multa é de R$ 5,32 por cabeça de animal e R$ 127,69 por propriedade não declarada. É importante ressaltar que a partir do dia 1º de maio, para emissão da GTA – Guia de Trânsito Animal é preciso comprovar a vacinação, pois o transporte ilegal sem a guia gera ao produtor multa de R$ 42,56 por cabeça de animal e R$ 127,69 ao transportador, além das sanções previstas na Lei.

http://www.adapec.to.gov.br/noticia.php?id=897

AGROPRODUTOR: Melhoramento genético dá lucro

Epaminondas Andrade, de Araguaína, TO. Um dos maiores usuários do PMGZ - Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos da ABCZ.AgroGuia
Por Nathã Carvalho

 

AGROPRODUTOR
Fazenda Vale do Boi
Melhoramento genético dá lucro

Epaminondas Andrade, de Araguaína, TO.
Um dos maiores usuários do PMGZ – Programa de Melhoramento
Genético de Zebuínos da ABCZ.

 

 

Em Carmolândia (TO) está localizada uma das propriedades modelo quando o assunto é gestão rural e utilização de metodologias que possibilitam o controle mais eficaz das atividades. Trata-se da Fazenda Vale do Boi, do pecuarista Epaminondas de Andrade, com área total de 1.800 hectares. Destes, 1.500 hectares são de pasto, destinados à pecuária de corte de ciclo completo e à seleção de reprodutores e matrizes geneticamente superiores da raça Nelore (PO) em plena harmonia com o meio ambiente. O rebanho alcança cerca de 3500 cabeças, das quais 1.200 matrizes.

Pacote tecnológico é o diferencial Por Nathã Carvalho Fazenda Vale do Boi, de Epaminondas de Andrade, é exemplo que investir em melhoramento e gestão dá certo
Pacote tecnológico é o diferencial
Fazenda Vale do Boi, de Epaminondas de Andrade,
é exemplo que investir em melhoramento e gestão dá certo

A história da Fazenda Vale do Boi começou após Epaminondas concluir que o futuro da pecuária de corte no Brasil estava nas regiões Centro-Oeste e Norte, o que hoje é uma realidade. Sua atividade no campo começou há pouco mais de 40 anos, em Uberaba (MG), sua terra natal, com seleção da raça Gir. Cerca de quatro anos depois, Epaminondas vendeu a fazenda de porteira fechada, inclusive com o rebanho Gir, e adquiriu outra, porém, com gado Nelore, iniciando a seleção da raça ainda em terras uberabenses.

“Pela dificuldade de trabalhar com a pecuária de corte na região do Triangulo Mineiro, pela necessidade de ter uma escala maior e também em função da valorização das terras na região, migrei para o Norte do País para adquirir terras mais baratas”, conta. Em outubro de 1983 o rebanho foi transferido para a Fazenda Vale do Boi, no município de Araguaína, norte de Goiás, e, com a divisão do estado e municípios, Carmolândia, no norte do Tocantins, próximo do sul dos Estados do Pará e Maranhão.

A fazenda é destaque nacional quando se fala em gestão rural. É totalmente adepta às metodologias que possibilitem a informatização da propriedade. “Quando era menino, fui para São Paulo, onde tive a oportunidade de concluir meus estudos e construir uma carreira. Fui até diretor em algumas empresas e trouxe essa bagagem de gestão de negócios para a pecuária. A fazenda construiu um diferencial a partir da minha vida na indústria e no comércio”, afirma o criador. No sistema de gerenciamento da Vale do Boi estão inclusas desde planilhas do inventário do rebanho até as de mapas de compra e venda, caixa e controle de custos e receitas, balanço, software Procan e de controle pluviométrico, medição realizada desde 1986 e que apresenta todo o histórico de chuva na área. Todas muito bem detalhadas e organizadas.

Boas práticas de gestão renderam o prêmio MPE-Brasil, em 2010

A lida com o gado conta a aplicação de variadas técnicas como manejo racional, rotação de pastagens, correção e adubação do solo, diversidade de gramíneas, controle de lotação e rotação. Entre as forrageiras cultivadas destacam os capins massai, tanzânia, mombaça, braquiarão, MG5 e elefante, além da grama estrela africana e a estrela roxa. “Trabalho com nível mediano a alto de tecnologia. Como faço melhoramento genético, a fazenda é toda informatizada e, em 2010, a Vale do Boi recebeu o prêmio MPE-Brasil, conferido a melhor qualidade de gestão no agronegócio no Brasil, o que tornou a fazenda reconhecida entre as melhores empresas do País, na categoria Agronegócio, pelas boas práticas de gestão adotadas”, destaca.

Epaminondas não esconde a importância de uma gestão moderna. “Para se fazer uma gestão mais eficiente, é necessário investir em ferramentas que não são tão caras para informatizar a fazenda. Basta utilizar os softwares disponíveis no mercado. O que é mais custoso é produzir uma pastagem que seja compatível com o gado geneticamente melhorado, pois quanto maior o avanço genético do gado, maior a exigência destes animais em termos de nutrição e manejo.” E por falar em genética, a Fazenda Vale do Boi foi uma das pioneiras na adesão ao PMGZ (Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos), da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu). Foi pioneira na comercialização de reprodutores com avaliação genética em leilões no Estado e é atualmente uma das propriedades com o maior número de animais participantes tanto na prova de CDP (Controle de Desenvolvimento Ponderal) como nas PGP (Provas de Ganho de Peso).

Propriedade é destaque no PMGZ/ABCZ em participação de animais

O rebanho também participa (e vence), frequentemente, das etapas do Circuito Boi Verde de Carcaças, organizado pela ACNB (Associação dos Criadores de Nelore do Brasil). “Trouxemos todas estas técnicas para a fazenda, o que tem nos ajudado e nos destacado no cenário nacional, inclusive somos reconhecidos por tudo isso. Por exemplo, chegamos a receber uma premiação da ABCZ, em função dos nossos animais se destacarem em desempenho através do PMGZ”, detalha.

Com relação ao PMGZ, Epaminondas é um dos grandes defensores da utilização do programa, por verificar as vantagens na prática. “Tenho um desempenho muito bom na minha fazenda, baseado no programa” afirma. Para ele, modernamente é impossível desenvolver pecuária de corte ou leite sem utilizar uma ferramenta de programa de melhoramento. “O PMGZ é muito abrangente e trabalha, hoje, com quase um milhão de matrizes. A ABCZ tem um dos melhores grupos técnicos espalhados pelo Brasil, com um escritório regional nas principais cidades, e isso possibilita um desempenho considerável”, acrescenta.

Só para exemplificar, a evolução de quase 18%, de 1995 a 2009, no rebanho da Vale do Boi, em relação ao peso à desmama dos bezerros Nelore, comprova a eficiência tanto das práticas adotadas para manejo e nutrição, como também da utilização do programa de melhoramento. A cada ano a fazenda vem se destacando na superioridade genética de seus produtos, como demonstram os relatórios dos animais candidatos a CEP (Certificado Especial de Produção), do PMGZ. Só em 2012, considerando a safra de 2010, mais de 202 produtos da fazenda eram candidatos a CEP, um dos mais importantes produtos disponibilizado pelo PMGZ, certificado alia a superioridade genética do animal ao seu biotipo, baseado nas avaliações genéticas de todos os animais participantes do PMGZ.

Segundo o criador, as avaliações obtidas por meio dos programas de melhoramento estão à disposição do produtor como importante ferramenta de seleção, seja com o foco na produção de genética ou de gado comercial. “Muitos produtores trabalham há anos com seleção de gado e não utilizam essas ferramentas. Estão perdendo tempo, pois o quanto antes eles participarem desses programas, o quanto antes vão conseguir melhorar o desempenho dos seus rebanhos”, argumenta e acrescenta: “Investir em melhoramento genético é o caminho certeiro para quem está focado em atingir o ápice de desempenho do rebanho, o que resultará no aprimoramento da eficiência produtiva e consequentemente no incremento da rentabilidade.”

Epaminondas Andrade conquistou em 2012 o título de “Pecuarista do Ano” no Rally da Pecuária
Epaminondas Andrade conquistou em 2012 o título de “Pecuarista do Ano” no Rally da Pecuária

 

Grupo Publique e DuPont visitam a Vale do Boi

Visitas da Publique e DuPont juntos a Epaminondas e Ricardo na Vale do Boi.No ultimo domingo dia 11 de novembro, estiveram visitando a Fazenda Vale do Boi, Carlos Alberto da Silva o “Carlão” da Publique, Marcelo Faria e Rodrigo Dondé da DuPont.

Foram horas agradáveis onde os visitantes puderam ver a propriedade e conhecer o manejo e manutenção das pastagens, a gestão, bem como a rebanho nelore e sua seleção através do PMGZ (Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos).